AUTÁRQUICAS 2017 PROGRAMA ELEITORAL

 

ALTERNATIVA​ ​POR​ ​BRAGA​ ​-​ ​PROGRAMA​ ​ELEITORAL

Braga é uma cidade com um potencial enorme, pelas suas gentes, pelas suas instituições, pela sua localização. No entanto,não tem concretizado esse potencial.

O mundo evolui e apresenta novos desafios. Vemos outras cidades dar resposta aos seus problemas, acompanhando o mundo e evoluindo. Os bracarenses querem acompanhar os tempos, enfrentar os seus problemas, manter o seu património, dar resposta aos cidadãos mais desprotegidos, aos mais reivindicativos, aos mais exigentes,​ ​aos​ ​mais​ ​carentes,​ ​aos​ ​mais​ ​visionários.

A candidatura “Alternativa por Braga”, do partido Nós, Cidadãos!, é por demais pertinente no ano de 2017, expressão da cidadania que quer vencer a inércia perante os desafios do presente e resolver os erros do passado. Assim, apresentamos os principais eixos da nossa candidatura, que entendemos serem essenciais para rumarmos​ ​a​ ​uma​ ​Braga​ ​digna​ ​das​ ​expectativas​ ​dos​ ​seus​ ​Cidadãos:

1.​ ​MOBILIDADE

Mobilidade urbana é o resultado da interação das deslocações de pessoas e bens entre si e com a própria cidade. Temoscomoambiçãoumconjuntodepolíticas de transporte e circulação que visam proporcionar o acesso amploedemocráticoao espaço urbano e suburbano,atravésdapriorizaçãodosmodosdetransportecoletivo e não motorizados de maneira efetiva, socialmente inclusiva e ecologicamente sustentável. É preciso reduzir ocustoeconómicoesocialdamobilidade.Nãoécorrectoque, para poder trabalhar, se tenha que custear um automóvel por falta de alternativas viáveis.

Propomos:

● Redefinição​ ​do​ ​Triângulo​ ​da​ ​Mobilidade,​ ​adoptando​ ​a​ ​seguinte​ ​prioridade:

1. Trânsito​ ​pedonal;

2. Transportes​ ​públicos;

3. Outros​ ​modos​ ​suaves​ ​(nomeadamente,​ ​a​ ​bicicleta);

4. Trânsito​ ​automóvel.

● De​ ​acordo​ ​com​ ​o​ ​novo​ ​Triângulo​ ​da​ ​Mobilidade,​ ​definir​ ​uma​ ​política​ ​de​ ​mobilidade urbana​ ​para​ ​a​ ​cidade​ ​de​ ​Braga,​ ​em​ ​cumprimento​ ​da​ ​Lei​ ​das​ ​Acessibilidades,​ ​em coordenação​ ​com​ ​a​ ​política​ ​de​ ​adaptação​ ​às​ ​alterações​ ​climáticas​ ​(ver​ ​eixo “Ambiente”)​ ​e​ ​das​ ​melhores​ ​práticas​ ​de​ ​concepção​ ​técnica,​ ​que​ ​irá​ ​nortear​ ​todas​ ​as futuras​ ​intervenções​ ​viárias​ ​no​ ​concelho:

● Definir​ ​tecnicamente​ ​os​ ​perfis​ ​viários​ ​de​ ​todos​ ​os​ ​novos​ ​arruamentos, conforme​ ​as​ ​características​ ​pretendidas;

● Estudo​ ​de​ ​todas​ ​as​ ​artérias​ ​existentes​ ​e​ ​classificação​ ​conforme​ ​as​ ​suas características​ ​actuais​ ​(vias​ ​coletoras,​ ​vias​ ​de​ ​distribuição​ ​principais,​ ​vias​ ​de distribuição​ ​locais,​ ​vias​ ​de​ ​acesso​ ​local);

● Delinear​ ​plano​ ​de​ ​adaptação​ ​faseada​ ​da​ ​situação​ ​actual​ ​para​ ​a​ ​situação pretendida,​ ​bem​ ​como​ ​a​ ​calendarização​ ​e​ ​orçamentação​ ​dessa​ ​alteração.

● Criar​ ​um​ ​programa​ ​de​ ​revisão​ ​das​ ​vias​ ​de​ ​circulação​ ​pedonal​ ​(passeios):

● Corrigir​ ​as​ ​não​ ​conformidades​ ​à​ ​Lei​ ​das​ ​Acessibilidades​ ​e​ ​facilitar​ ​a deslocação​ ​pedonal​ ​a​ ​toda​ ​a​ ​população​ ​bracarense,​ ​independentemente​ ​das suas​ ​limitações​ ​de​ ​mobilidade;

● Eliminar​ ​as​ ​passagens​ ​pedonais​ ​aéreas,​ ​ilegais​ ​perante​ ​a​ ​Lei​ ​das Acessibilidades​ ​e​ ​favorecer​ ​as​ ​passagens​ ​pedonais​ ​de​ ​nível,​ ​de​ ​acordo​ ​com as​ ​melhores​ ​práticas;

● Ter​ ​em​ ​conta​ ​as​ ​recomendações​ ​e​ ​melhores​ ​práticas​ ​para​ ​a​ ​circulação​ ​dos cidadãos​ ​cegos​ ​ou​ ​amblíopes;

● Definir​ ​o​ ​“passeio​ ​tipo”,​ ​de​ ​modo​ ​que​ ​todos​ ​os​ ​passeios​ ​novos​ ​e​ ​todas​ ​as intervenções​ ​passem​ ​a​ ​ser​ ​normalizados​ ​em​ ​toda​ ​a​ ​cidade.

● Reformular​ ​o​ ​funcionamento​ ​dos​ ​Transportes​ ​Urbanos​ ​de​ ​Braga​ ​(TUB),​ ​​ ​de​ ​modo​ ​a permitir​ ​a​ ​deslocação​ ​da​ ​maior​ ​quantidade​ ​possível​ ​de​ ​origens​ ​para​ ​a​ ​maior quantidade​ ​possível​ ​de​ ​destinos,​ ​com​ ​rapidez,​ ​conforto​ ​e​ ​eficiência,​ ​constituindo alternativa​ ​económica​ ​ao​ ​automóvel,​ ​que​ ​deixará​ ​de​ ​ser​ ​um​ ​encargo​ ​obrigatório​ ​para muitos​ ​bracarenses:

● Ligação​ ​directa​ ​entre​ ​os​ ​extremos​ ​do​ ​concelho,​ ​via​ ​cidade​ ​de​ ​Braga​ ​(Ex: Palmeira​ ​-​ ​Braga​ ​-​ ​Escudeiros);

● Vários​ ​destinos​ ​para​ ​cada​ ​origem,​ ​permitindo​ ​aos​ ​utentes​ ​ligações​ ​directas​ ​a múltiplos​ ​destinos,​ ​via​ ​o​ ​centro​ ​da​ ​cidade​ ​de​ ​Braga,​ ​com​ ​determinada frequência​ ​(Ex:​ ​8:00​ ​Palmeira-Centro-Escudeiros,​ ​8:20 Palmeira-Centro-Pedralva,​ ​8:40​ ​Palmeira-Centro-Cunha,​ ​repetição)​ ​-​ ​A sobreposição​ ​de​ ​todas​ ​as​ ​linhas​ ​permite​ ​ao​ ​utente​ ​deslocar-se​ ​em​ ​todo​ ​o concelho​ ​com​ ​o​ ​mínimo​ ​de​ ​transbordos;

● Reposicionamento​ ​das​ ​paragens​ ​de​ ​acordo​ ​com​ ​estudo​ ​racional,​ ​de​ ​modo​ ​a diminuir​ ​o​ ​tempo​ ​de​ ​viagem​ ​ao​ ​mesmo​ ​tempo​ ​que​ ​se​ ​assegurará​ ​que​ ​a distância​ ​de​ ​deslocação​ ​de​ ​aglomerados​ ​habitacionais​ ​ou​ ​empresariais​ ​até às​ ​paragens​ ​é​ ​adequada;

● Definição​ ​de​ ​horário​ ​de​ ​passagem​ ​do​ ​autocarro​ ​em​ ​cada​ ​paragem:​ ​o​ ​utente tem​ ​que​ ​contar​ ​com​ ​a​ ​hora​ ​a​ ​que​ ​o​ ​autocarro​ ​passa​ ​na​ ​sua​ ​paragem​ ​de origem​ ​e​ ​de​ ​destino; ○ Fim​ ​da​ ​figura​ ​do​ ​“Agente​ ​Único”​ ​nos​ ​autocarros.​ ​O​ ​motorista​ ​será exclusivamente​ ​responsável​ ​pela​ ​condução​ ​do​ ​autocarro​ ​e​ ​cumprimento​ ​dos horários; ○ Reforço​ ​da​ ​brigada​ ​de​ ​fiscalização​ ​dos​ ​títulos​ ​de​ ​transporte;

● Fim​ ​da​ ​venda​ ​de​ ​títulos​ ​de​ ​transporte​ ​dentro​ ​dos​ ​autocarros;

○ Títulos​ ​de​ ​transporte​ ​passarão​ ​a​ ​poder​ ​ser​ ​adquiridos​ ​em​ ​qualquer estabelecimento​ ​comercial​ ​ou​ ​máquina​ ​Multibanco;

● Novas​ ​modalidades​ ​de​ ​título​ ​de​ ​transporte,​ ​desde​ ​bilhetes​ ​de​ ​1​ ​dia​ ​a​ ​bilhetes de​ ​1​ ​semana;

● Fim​ ​do​ ​sistema​ ​de​ ​coroas;

● Articular​ ​os​ ​TUB​ ​com​ ​os​ ​transportes​ ​dos​ ​concelhos​ ​vizinhos,​ ​fazendo coincidir​ ​as​ ​paragens​ ​terminais; ○ Reforço​ ​das​ ​linhas​ ​noturnas,​ ​com​ ​horário​ ​de​ ​funcionamento​ ​alargado,​ ​em determinados​ ​dias​ ​de​ ​grande​ ​afluência​ ​aos​ ​estabelecimentos​ ​de​ ​diversão noturna;

● Modernizar,​ ​faseadamente,​ ​a​ ​frota​ ​da​ ​TUB​ ​com​ ​o​ ​objectivo​ ​de​ ​ser​ ​totalmente acessível,​ ​nomeadamente​ ​por​ ​pessoas​ ​invisuais​ ​ou​ ​de​ ​mobilidade condicionada;

● Criar​ ​corredores​ ​BUS​ ​sempre​ ​que​ ​possível.

● Criar​ ​condições​ ​que​ ​favoreçam​ ​a​ ​circulação​ ​segura​ ​para​ ​os​ ​modos​ ​suaves, nomeadamente​ ​a​ ​bicicleta:

● Criar​ ​ciclovias,​ ​tirando​ ​proveito​ ​das​ ​características​ ​de​ ​relevo​ ​da​ ​cidade​ ​e adoptando​ ​os​ ​trajectos​ ​mais​ ​eficientes;

■ Eixo​ ​Ferreiros-Fojo​ ​(Oeste-Este);

■ Eixo​ ​Areal​ ​de​ ​Baixo-Espadanido​ ​(Norte-Sul);

■ Eixo​ ​Maximinos-Areal​ ​de​ ​Baixo​ ​(Sudoeste-Nordeste);

■ Eixo​ ​Lamaçães-Gualtar​ ​(Sul-Norte).

● Induzir​ ​acalmia​ ​do​ ​tráfego​ ​na​ ​restante​ ​cidade,​ ​via​ ​sistemas​ ​de​ ​limitação​ ​de velocidade,​ ​quer​ ​passivos​ ​quer​ ​ativos; ○ Criar​ ​excepções​ ​nos​ ​sentidos​ ​proibidos,​ ​para​ ​as​ ​bicicletas,​ ​em​ ​ruas​ ​que​ ​o possibilitem,​ ​criando​ ​percursos​ ​legais​ ​mais​ ​curtos;

● Adoptar​ ​um​ ​sistema​ ​urbano​ ​de​ ​bicicletas​ ​partilhadas,​ ​sendo​ ​parte​ ​da​ ​frota com​ ​motor​ ​elétrico​ ​auxiliar​ ​(para​ ​quem​ ​pretenda​ ​deslocação​ ​nas​ ​vias​ ​mais inclinadas);

● Criar​ ​zonas​ ​de​ ​estacionamento​ ​para​ ​bicicletas​ ​em​ ​resposta​ ​às​ ​necessidades dos​ ​utentes;

● Reformular​ ​a​ ​maneira​ ​como​ ​o​ ​trânsito​ ​automóvel​ ​é​ ​regulado,​ ​de​ ​maneira​ ​a​ ​reduzir​ ​a sinistralidade,​ ​as​ ​distâncias​ ​de​ ​deslocação,​ ​a​ ​poluição,​ ​criando​ ​espaço​ ​para​ ​os outros​ ​modos​ ​de​ ​mobilidade:

● Adoptar​ ​circulação​ ​nos​ ​dois​ ​sentidos​ ​sempre​ ​que​ ​possível,​ ​de​ ​maneira​ ​a reduzir​ ​as​ ​distâncias​ ​dentro​ ​da​ ​cidade​ ​e,​ ​consequentemente,​ ​a​ ​poluição​ ​e​ ​os encargos​ ​com​ ​combustível​ ​e​ ​desgaste​ ​desnecessário;

● Reduzir​ ​o​ ​limite​ ​de​ ​velocidade​ ​de​ ​circulação​ ​automóvel​ ​em​ ​zonas residenciais,​ ​proximidade​ ​de​ ​escolas​ ​e​ ​sempre​ ​que​ ​as​ ​características​ ​das vias​ ​assim​ ​o​ ​recomendem,​ ​para​ ​30km/h​ ​ou​ ​velocidade​ ​adequada;

● Repor​ ​cruzamentos​ ​que​ ​já​ ​existiram,​ ​ligando​ ​as​ ​ruas​ ​interrompidas​ ​(Ruas​ ​D. Pedro​ ​V​ ​e​ ​Nova​ ​de​ ​Santa​ ​Cruz,​ ​Monsenhor​ ​Airosa​ ​e​ ​S.​ ​Geraldo,​ ​Bernardo Sequeira);

● Adotar​ ​sistema​ ​de​ ​gestão​ ​centralizada​ ​e​ ​inteligente​ ​dos​ ​semáforos​ ​da​ ​cidade, gerindo​ ​os​ ​mesmo​ ​pelas​ ​necessidades​ ​do​ ​trânsito;

● Introduzir​ ​métodos​ ​de​ ​controlo​ ​permanente​ ​da​ ​velocidade​ ​individual​ ​de circulação​ ​automóvel;

● Reforçar​ ​a​ ​importância​ ​da​ ​cintura​ ​rodoviária​ ​externa​ ​da​ ​cidade​ ​e​ ​a​ ​urgência na​ ​sua​ ​conclusão,​ ​de​ ​modo​ ​a​ ​retirar​ ​trânsito​ ​de​ ​passagem​ ​à​ ​cidade;

● Combater​ ​o​ ​estacionamento​ ​abusivo,​ ​que​ ​prejudica​ ​a​ ​utilização​ ​dos​ ​passeios ou​ ​ciclovias:

■ Instalação​ ​de​ ​guias​ ​nos​ ​estacionamentos​ ​de​ ​topo​ ​para​ ​impedir​ ​que​ ​os automóveis​ ​ocupem​ ​e​ ​reduzam​ ​parte​ ​do​ ​passeio​ ​com​ ​as​ ​suas​ ​frentes;

■ Instalação​ ​de​ ​guardas​ ​em​ ​zonas​ ​chave​ ​para​ ​impedir​ ​a​ ​ocupação​ ​de espaço​ ​de​ ​circulação​ ​pedonal​ ​ou​ ​modos​ ​suaves; ■ Reforço​ ​da​ ​fiscalização​ ​por​ ​parte​ ​da​ ​Polícia​ ​Municipal,​ ​em​ ​articulação com​ ​a​ ​PSP.

● Regulamentar​ ​e​ ​fiscalizar,​ ​eficazmente,​ ​a​ ​circulação​ ​de​ ​veículos​ ​no​ ​Centro​ ​Histórico, zonas​ ​pedonais​ ​ou​ ​de​ ​coexistência.

2.​ ​AMBIENTE

É inequívoca a importância do meio ambiente, realçada nas últimas décadas pela crise ecológica tem atingido a humanidade e se têm acentuado ano após ano, sendo​ ​a​ ​sua​ ​face​ ​mais​ ​visível​ ​as​ ​alterações​ ​climáticas.

A defesa dos cada vez mais escassos recursos hídricos, tanto nasuaessência, como a sua preservação na esferapúblicaasalvodeinteresseseconómicosquenão têm qualquer consideração pelo bem comum, é vital.

Tenhamos sempre presente o exemplo​ ​negativo​ ​do​ ​concelho​ ​vizinho​ ​de​ ​Barcelos. O controlo humano da população vadia de animais,em defesa da saúde pública mas também da dignidade animal, é não só uma necessidade que não pode ser descurada​ ​mas,​ ​também,​ ​um​ ​imperativo​ ​legal. O tratamento e valorização do lixo é também de uma importância difícil de quantificar para o bem estar das populações, a par de um sector económico em ascensão. Sendo o interesse económico do lixo função da sua produção, que se pretende reduzir, acreditamos que deve ser subordinado ao interesse público e, portanto,​ ​ser​ ​também​ ​mantido​ ​na​ ​esfera​ ​municipal.

A adaptação da cidade aos fenómenos climáticos extremos, de maneira a proteger os cidadãos dos seus efeitos nefastos, éumtrabalhoaprazomasquetarda em​ ​arrancar,​ ​sendo​ ​cada​ ​vez​ ​mais​ ​urgente.

Por fim, o ambiente, a saúde pública, o lazer das famílias são conceitos indissociáveis,​ ​pelo​ ​que​ ​uma​ ​preocupação​ ​fulcral​ ​de​ ​todo​ ​o​ ​bom​ ​gestor​ ​público.

Propomos:

● Remunicipalizar​ ​a​ ​Agere,​ ​devolvendo​ ​aos​ ​bracarenses​ ​a​ ​exploração​ ​e​ ​distribuição da​ ​água,​ ​uma​ ​actividade​ ​monopolista​ ​imprescindível​ ​ao​ ​bom​ ​funcionamento​ ​da sociedade​ ​e​ ​à​ ​vida,​ ​sem​ ​a​ ​obrigação​ ​de​ ​pagar​ ​dividendos​ ​absurdos​ ​a​ ​empresas privadas​ ​ao​ ​mesmo​ ​tempo​ ​que​ ​também​ ​a​ ​ganham​ ​em​ ​todos​ ​os​ ​actos​ ​normais​ ​de gestão​ ​da​ ​empresa;

● Medidas​ ​eficazes​ ​e​ ​dignas​ ​para​ ​o​ ​controlo​ ​da​ ​população​ ​animal​ ​vadia:

○ Campanhas​ ​de​ ​Captura​ ​–​ ​Esterilização​ ​-​ ​Devolução​ ​(CED)​ ​para​ ​os​ ​animais de​ ​rua,​ ​a​ ​partir​ ​da​ ​atuação​ ​das​ ​entidades,​ ​coordenadas​ ​pela​ ​Câmara Municipal:​ ​Associações/cidadãos​ ​(as​ ​quais​ ​sinalizam​ ​colónias),​ ​Agere (captura​ ​e​ ​devolução​ ​dos​ ​animais),​ ​Clínicas​ ​Veterinárias​ ​(que​ ​aceitem estabelecer​ ​protocolo). ○ Esterilização​ ​dos​ ​animais​ ​para​ ​adopção. ○ Medidas​ ​que​ ​facilitem​ ​o​ ​acesso​ ​à​ ​esterilização​ ​de​ ​animais​ ​de​ ​estimação (cães​ ​e​ ​gatos)​ ​de​ ​pessoas​ ​carenciadas.
○ Acções​ ​de​ ​sensibilização​ ​nas​ ​escolas,​ ​consciencializando​ ​os​ ​mais​ ​jovens quanto​ ​a​ ​igualdade​ ​no​ ​direito​ ​a​ ​vida,​ ​a​ ​dignidade​ ​em​ ​relação​ ​aos​ ​animais​ ​e responsabilidade​ ​que​ ​a​ ​sua​ ​posse​ ​implica,​ ​incluindo​ ​visitas​ ​ao​ ​canil municipal.

○ O​ ​reconhecimento​ ​da​ ​figura​ ​do​ ​animal​ ​comunitário​ ​(tratado​ ​e​ ​acarinhado​ ​por uma​ ​comunidade​ ​de​ ​pessoas).

○ Criação​ ​de​ ​mecanismos​ ​para​ ​intervenção​ ​em​ ​casos​ ​de​ ​emergência​ ​que envolvam​ ​animais​ ​(ambulância​ ​animal,​ ​​ ​24​ ​horas​ ​por​ ​dia,​ ​com​ ​equipa formada​ ​e​ ​com​ ​protocolo​ ​com​ ​clínicas​ ​privadas).

○ Construção​ ​de​ ​pequenos​ ​abrigos​ ​onde​ ​existam​ ​colónias​ ​de​ ​gatos​ ​abrangidas pelo​ ​programa​ ​CED,​ ​em​ ​que​ ​os​ ​animais​ ​sejam​ ​alimentados​ ​de​ ​forma organizada​ ​e​ ​higiénica​ ​pela​ ​comunidade​ ​(seguindo​ ​o​ ​exemplo​ ​da​ ​Aldeia​ ​dos Gatos​ ​em​ ​Sintra),​ ​permitindo​ ​também​ ​a​ ​fácil​ ​recolha,​ ​esterilização​ ​e devolução,​ ​dos​ ​mesmos.

○ Elegibilidade​ ​das​ ​propostas​ ​pertinentes​ ​para​ ​o​ ​Orçamento​ ​Participativo. ○ Sistema​ ​eficaz​ ​de​ ​controlo​ ​de​ ​identificação​ ​dos​ ​animais.

● Mudar​ ​o​ ​paradigma​ ​na​ ​recolha​ ​e​ ​tratamento​ ​do​ ​lixo,​ ​adoptando​ ​práticas​ ​para​ ​reduzir a​ ​sua​ ​produção​ ​no​ ​município,​ ​aumentar​ ​o​ ​rácio​ ​de​ ​reciclagem,​ ​manter​ ​a​ ​cidade limpa,​ ​recompensar​ ​a​ ​colaboração​ ​dos​ ​bracarenses​ ​na​ ​factura​ ​dos​ ​serviços:

○ Rejeitar​ ​liminarmente​ ​o​ ​encargo,​ ​oneroso,​ ​de​ ​depósitos​ ​enterrados​ ​de Resíduos​ ​Sólidos​ ​Urbanos;

○ Tornar​ ​obrigatória​ ​a​ ​separação​ ​dos​ ​lixos​ ​pelos​ ​utentes,​ ​de​ ​modo​ ​a​ ​aumentar o​ ​rácio​ ​de​ ​reciclagem​ ​e​ ​incorporar​ ​esse​ ​acréscimo​ ​de​ ​lucro​ ​na​ ​redução​ ​dos custos​ ​dos​ ​utentes;

○ Pagar​ ​a​ ​recolha​ ​e​ ​tratamento​ ​do​ ​lixo​ ​através​ ​de​ ​tarifas​ ​pré-pagas​ ​em​ ​cada saco​ ​do​ ​lixo,​ ​recompensando​ ​quem​ ​produz​ ​menos;

○ Normalizar​ ​os​ ​sacos​ ​de​ ​lixo,​ ​adoptando​ ​sacos​ ​adequados​ ​e​ ​resistentes, diminuindo​ ​cheiros​ ​e​ ​derrames;

○ Disponibilizar​ ​os​ ​sacos​ ​normalizados​ ​para​ ​venda​ ​em​ ​todas​ ​as​ ​superfícies comerciais;

○ Exercer​ ​a​ ​fiscalização​ ​de​ ​forma​ ​eficiente​ ​e​ ​eficaz,​ ​reforçando​ ​a​ ​brigada​ ​de fiscalização;

○ Promover​ ​a​ ​compostagem​ ​do​ ​lixo​ ​orgânico,​ ​retirando-o​ ​do​ ​volume​ ​destinado ao​ ​aterro​ ​sanitário:

■ Efectuar​ ​campanhas​ ​de​ ​informação​ ​e​ ​​ ​sensibilização​ ​para​ ​a compostagem;

■ ​ ​Distribuir​ ​caixas​ ​de​ ​compostagem​ ​por​ ​quem​ ​pretenda​ ​aderir​ ​à produção​ ​da​ ​compostagem,​ ​de​ ​modo​ ​a​ ​reduzir​ ​a​ ​sua​ ​despesa​ ​da recolha​ ​do​ ​lixo;

■ Criar​ ​centros​ ​de​ ​compostagem​ ​para​ ​recolha,​ ​tratamento​ ​e​ ​valorização do​ ​lixo​ ​orgânico​ ​e​ ​composto​ ​produzido​ ​nos​ ​domicílios.

● Actualização​ ​da​ ​Braval,​ ​efetuando​ ​os​ ​estudos​ ​e​ ​os​ ​passos​ ​necessários​ ​em​ ​direcção a​ ​um​ ​horizonte​ ​de​ ​redução​ ​da​ ​utilização​ ​do​ ​aterro​ ​sanitário,​ ​aumentando​ ​a​ ​receita por​ ​valorização​ ​dos​ ​resíduos​ ​e​ ​devolvendo​ ​valor​ ​ao​ ​cidadão​ ​que​ ​trabalha​ ​e​ ​colabora com​ ​um​ ​ambiente​ ​sustentável:

○ Alargamento​ ​do​ ​leque​ ​de​ ​resíduos​ ​valorizáveis;
○ Construção​ ​de​ ​mais​ ​estações​ ​de​ ​tratamento​ ​e​ ​valorização​ ​de​ ​resíduos, associadas​ ​a​ ​centrais​ ​de​ ​valorização​ ​energética​ ​dos​ ​resíduos,​ ​de​ ​modo​ ​a reduzir​ ​custos​ ​com​ ​transporte​ ​e​ ​aumentar​ ​proveitos;

○ Modernização​ ​de​ ​equipamentos;

○ Criação​ ​de​ ​um​ ​sistema​ ​de​ ​recolha​ ​e​ ​tratamento​ ​de​ ​resíduos​ ​químicos.

● Criar​ ​um​ ​programa​ ​municipal​ ​de​ ​​ ​combate​ ​ao​ ​plástico,​ ​que​ ​promova:

○ A​ ​eliminação​ ​do​ ​plástico​ ​nas​ ​embalagens​ ​e​ ​no​ ​dia​ ​a​ ​dia​ ​do​ ​município;

○ A​ ​criação​ ​e​ ​ampliação​ ​de​ ​zonas​ ​de​ ​venda​ ​a​ ​granel,​ ​nas​ ​superfícies comerciais;

○ A​ ​sensibilização​ ​das​ ​populações​ ​para​ ​as​ ​consequências​ ​nefastas​ ​do​ ​plástico e​ ​a​ ​importância​ ​da​ ​redução​ ​do​ ​seu​ ​consumo.

● Passar​ ​o​ ​serviço​ ​de​ ​varredura​ ​de​ ​ruas​ ​para​ ​as​ ​Juntas​ ​de​ ​Freguesia,​ ​para​ ​garantir uma​ ​cidade​ ​mais​ ​limpa​ ​e​ ​salubre: ○ Contratar​ ​funcionários​ ​suficientes​ ​para​ ​a​ ​adequada​ ​limpeza​ ​das​ ​ruas;

○ Instalar​ ​infraestrutura​ ​de​ ​apoio​ ​simples,​ ​durável​ ​e​ ​eficaz;

○ Implementar​ ​a​ ​separação​ ​do​ ​lixo​ ​resultante​ ​da​ ​varredura,​ ​depositando​ ​os resíduos​ ​correspondentes​ ​nos​ ​ecopontos​ ​e​ ​articulação​ ​com​ ​a​ ​Agere​ ​para​ ​a recolha​ ​do​ ​restante,​ ​incluindo​ ​os​ ​lixos​ ​orgânicos​ ​para​ ​compostagem;

● Modernizar​ ​as​ ​ETAR’s​ ​para​ ​acabar​ ​com​ ​os​ ​maus​ ​cheiros​ ​e​ ​melhorar​ ​a​ ​sua​ ​eficiência ambiental;

● Erradicar​ ​a​ ​utilização​ ​de​ ​herbicidas​ ​e​ ​pesticidas​ ​químicos​ ​por​ ​parte​ ​da​ ​autarquia​ ​e juntas​ ​de​ ​freguesia,​ ​substituindo-os​ ​por​ ​alternativas​ ​inócuas​ ​para​ ​o​ ​ambiente, fazendo​ ​campanha​ ​junto​ ​dos​ ​utilizadores​ ​privados,​ ​sensibilizando-os​ ​para​ ​o​ ​seu impacto​ ​no​ ​ambiente​ ​e​ ​na​ ​saúde;

● Desenvolver​ ​urgentemente​ ​as​ ​políticas​ ​de​ ​adaptação​ ​às​ ​alterações​ ​climáticas​ ​e​ ​sua implementação​ ​no​ ​terreno,​ ​invertendo​ ​as​ ​ações​ ​irresponsáveis​ ​que​ ​se​ ​têm​ ​vindo​ ​a verificar​ ​em​ ​Braga:

○ Arborização​ ​da​ ​cidade​ ​com​ ​espécies​ ​adequadas,​ ​de​ ​modo​ ​a​ ​criar​ ​sombra​ ​no verão​ ​e​ ​reduzir​ ​a​ ​temperatura​ ​nas​ ​superfícies;

○ Selecionar​ ​criteriosamente​ ​os​ ​materiais​ ​elegíveis​ ​para​ ​pavimentos​ ​e fachadas,​ ​tendo​ ​em​ ​conta​ ​o​ ​seu​ ​comportamento​ ​perante​ ​a​ ​temperatura​ ​e​ ​a água;

○ Promover​ ​a​ ​adopção​ ​de​ ​isolamento​ ​térmico​ ​nas​ ​remodelações,​ ​de​ ​modo​ ​a reduzir​ ​as​ ​necessidades​ ​energéticas​ ​de​ ​arrefecimento​ ​ou​ ​de​ ​aquecimento;

○ Promover​ ​a​ ​adopção​ ​de​ ​soluções​ ​solares​ ​passivas​ ​na​ ​construção;

○ Criar​ ​a​ ​obrigação​ ​de​ ​adopção​ ​de​ ​coberturas​ ​ajardinadas​ ​em​ ​novos​ ​edifícios, dentro​ ​das​ ​limitações​ ​técnicas​ ​pertinentes;

○ Promover​ ​a​ ​adopção​ ​de​ ​coberturas​ ​ajardinadas​ ​em​ ​obras​ ​de​ ​remodelação​ ​de coberturas​ ​existentes,​ ​via​ ​incentivos​ ​no​ ​IMI;

○ Criar​ ​políticas​ ​para​ ​aumento​ ​da​ ​área​ ​de​ ​solo​ ​permeável​ ​na​ ​cidade;

○ Articular​ ​com​ ​os​ ​proprietários​ ​rurais​ ​e​ ​florestais​ ​do​ ​concelho,​ ​promovendo uma​ ​floresta​ ​rica​ ​e​ ​diversa,​ ​de​ ​modo​ ​a​ ​criar​ ​sustentabilidade​ ​integrada, reduzindo​ ​o​ ​risco​ ​de​ ​fogos​ ​florestais,​ ​criando​ ​valor​ ​a​ ​prazo,​ ​defendendo​ ​as nascentes​ ​e​ ​linhas​ ​de​ ​água;

● Planear​ ​e​ ​criar​ ​uma​ ​rede​ ​de​ ​parques​ ​da​ ​natureza​ ​em​ ​redor​ ​da​ ​cidade,​ ​iniciando​ ​com o​ ​Parque​ ​da​ ​Natureza​ ​das​ ​Sete​ ​Fontes;
● Atacar​ ​o​ ​problema​ ​de​ ​cheias​ ​relâmpago​ ​na​ ​cidade,​ ​através​ ​de​ ​manutenção​ ​periódica programada,​ ​intervenções​ ​pontuais​ ​e​ ​adopção​ ​de​ ​disposições​ ​camarárias​ ​com​ ​o objectivo​ ​de​ ​reduzir​ ​a​ ​impermeabilização​ ​dos​ ​solos​ ​e​ ​coeficientes​ ​de​ ​escoamento das​ ​águas​ ​pluviais,​ ​retirando​ ​o​ ​pico​ ​de​ ​esforço​ ​que​ ​as​ ​infraestruturas​ ​existentes​ ​não suportam;

● Criação​ ​de​ ​uma​ ​rede​ ​de​ ​rega​ ​municipal,​ ​com​ ​aproveitamento​ ​e​ ​tratamento​ ​de​ ​águas residuais​ ​para​ ​o​ ​efeito​ ​e​ ​deixando​ ​de​ ​utilizar​ ​água​ ​potável​ ​que​ ​é​ ​mais​ ​cara​ ​e ambientalmente​ ​irresponsável​ ​face​ ​às​ ​alterações​ ​climáticas​ ​em​ ​curso;

● Determinar​ ​a​ ​origem​ ​dos​ ​focos​ ​de​ ​poluição​ ​dos​ ​cursos​ ​de​ ​água​ ​de​ ​Braga​ ​e​ ​tomar medidas​ ​para​ ​o​ ​seu​ ​fim;

● Elaboração​ ​de​ ​um​ ​programa​ ​racional​ ​para​ ​a​ ​recuperação​ ​do​ ​leito​ ​de​ ​cheia​ ​do​ ​Rio Este​ ​e​ ​seus​ ​afluentes,​ ​bem​ ​como​ ​outros​ ​cursos​ ​de​ ​água​ ​do​ ​concelho​ ​de​ ​Braga;

● Aproximação​ ​da​ ​cidade​ ​ao​ ​Rio​ ​Cávado​ ​em​ ​termos​ ​de​ ​políticas​ ​ambientais​ ​para,​ ​em conjunto​ ​com​ ​os​ ​outros​ ​concelhos​ ​adjacentes,​ ​defender​ ​a​ ​principal​ ​fonte​ ​regional​ ​de água​ ​e​ ​colocar​ ​o​ ​seu​ ​potencial​ ​energético​ ​ao​ ​serviço​ ​das​ ​populações;

3.​ ​ECONOMIA

Enquanto área do conhecimento, é a ciência que estuda comoorganizaros recursos escassos da sociedade para gerar maior prosperidade para os seus membros.

Acreditamos que podemos construir um modelo económico renovado que consiga dar uma melhor resposta às aspirações dos cidadãos e aos desafios da nossa sociedade, através da liberdade de mercado ao serviço do bem da sociedade, sendo o papel da Câmara Municipal o de promover a inclusão social e garantir a provisão de bens públicos em áreas nas quais os mercados falham na geração de ganhos​ ​​ ​sociais. Como principal motor económico do Concelho, a Câmara Municipal é um eixo pivotante fulcral à prosperidade da sociedade local, pelo que é imprescindível a boa gestão das contas públicas.

No entanto, é como geradora de sinergias, como ponte entre​ ​as​ ​empresas,​ ​os​ ​cidadãos​ ​e​ ​o​ ​interesse​ ​comum,​ ​que​ ​tem​ ​o​ ​seu​ ​principal​ ​papel.

Propomos:

● Consolidação​ ​das​ ​contas​ ​públicas​ ​e​ ​redução​ ​da​ ​dívida​ ​via​ ​a​ ​contenção​ ​da​ ​despesa, adoptando​ ​critérios​ ​exigentes,​ ​em​ ​termos​ ​de​ ​interesse​ ​público,​ ​para​ ​a​ ​sua elegibilidade;

● Adoptar​ ​políticas​ ​para​ ​maior​ ​retenção​ ​da​ ​despesa​ ​pública​ ​e​ ​privada​ ​na​ ​economia​ ​do concelho:

○ Executar​ ​o​ ​investimento​ ​de​ ​forma​ ​criteriosa,​ ​privilegiando​ ​os​ ​maiores​ ​rácios entre​ ​o​ ​retorno​ ​e​ ​a​ ​despesa;

○ Dispensar​ ​intermediários​ ​desnecessários,​ ​reduzindo​ ​custos​ ​e​ ​aumentando​ ​o investimento;

○ Promover,​ ​junto​ ​das​ ​empresas​ ​distribuidoras,​ ​a​ ​agricultura​ ​local​ ​para abastecimento​ ​das​ ​necessidades​ ​do​ ​concelho​ ​e​ ​para​ ​exportação, promovendo​ ​a​ ​formação​ ​profissional,​ ​a​ ​incubação​ ​de​ ​empresas​ ​agrícolas,​ ​o acompanhamento​ ​técnico​ ​das​ ​produções​ ​e​ ​a​ ​distribuição​ ​directa​ ​dos produtos​ ​nos​ ​mercados​ ​municipais​ ​e​ ​outros,​ ​com​ ​ênfase​ ​na​ ​agricultura biológica;

○ Investir​ ​em​ ​eficiência​ ​e​ ​geração​ ​energética​ ​no​ ​concelho,​ ​dando​ ​o​ ​exemplo com​ ​os​ ​equipamentos​ ​e​ ​edifícios​ ​municipais,​ ​privilegiando​ ​a​ ​economia​ ​local, reduzindo​ ​os​ ​custos​ ​operacionais​ ​e​ ​contribuindo​ ​para​ ​o​ ​combate​ ​ao aquecimento​ ​global; ○ Elaborar​ ​um​ ​plano​ ​racional​ ​de​ ​manutenção​ ​dos​ ​equipamentos​ ​municipais, com​ ​provisão​ ​da​ ​correspondente​ ​despesa​ ​nos​ ​orçamentos​ ​da​ ​autarquia.

● Cadastrar​ ​as​ ​associações​ ​activas​ ​e​ ​avaliação​ ​dos​ ​apoios​ ​municipais​ ​em​ ​curso, eliminando​ ​aqueles​ ​que​ ​se​ ​demonstrem​ ​indevidos;

● Zelar​ ​pelo​ ​sucesso​ ​das​ ​empresas​ ​municipais​ ​como​ ​veículo​ ​para​ ​a​ ​economia​ ​familiar dos​ ​bracarenses,​ ​de​ ​modo​ ​a​ ​aumentar​ ​a​ ​sua​ ​qualidade​ ​de​ ​vida​ ​e​ ​poder​ ​de​ ​compra;

● Dar​ ​resposta​ ​às​ ​necessidades​ ​dos​ ​empresários,​ ​tornando​ ​o​ ​concelho​ ​mais​ ​atractivo e​ ​aumentando​ ​a​ ​captação​ ​de​ ​investimento,​ ​de​ ​preferência​ ​por​ ​actividades​ ​de​ ​maior valor​ ​acrescentado:

○ Executar​ ​auditorias​ ​aos​ ​serviços​ ​camarários​ ​de​ ​apoio​ ​às​ ​empresas, agricultura,​ ​florestas​ ​e​ ​outras​ ​áreas​ ​pertinentes,​ ​para​ ​aferir​ ​a​ ​necessidade​ ​de intervenção​ ​para​ ​melhor​ ​eficiência;

○ Renovar​ ​os​ ​parques​ ​industriais​ ​e​ ​empresariais,​ ​dando​ ​condições​ ​de​ ​trabalho e​ ​mobilidade​ ​às​ ​empresas​ ​que​ ​lá​ ​laboram​ ​e​ ​às​ ​vindouras;

○ Apoiar​ ​a​ ​recuperação​ ​da​ ​pequena​ ​e​ ​média​ ​indústria​ ​bracarense,​ ​via agilização​ ​das​ ​burocracias​ ​camarárias,​ ​articulação​ ​com​ ​a​ ​formação profissional​ ​dos​ ​trabalhadores​ ​necessários,​ ​recuperação​ ​de​ ​marcas históricas​ ​há​ ​muito​ ​desaparecidas;

○ Rejeição​ ​da​ ​aposta​ ​em​ ​grandes​ ​superfícies​ ​comerciais,​ ​apostando​ ​no comércio​ ​local,​ ​com​ ​horário​ ​adequado​ ​ao​ ​dos​ ​serviços.

● Promover​ ​o​ ​turismo​ ​sustentável​ ​no​ ​concelho,​ ​enquadrado​ ​com​ ​toda​ ​a​ ​região, capitalizando​ ​e​ ​evidenciando​ ​a​ ​diversidade​ ​de​ ​propostas​ ​que​ ​Braga​ ​dispõe​ ​e​ ​que estão​ ​por​ ​explorar,​ ​sem​ ​esquecer​ ​os​ ​direitos​ ​laborais​ ​dos​ ​trabalhadores​ ​e​ ​o​ ​direito ao​ ​descanso​ ​dos​ ​moradores:

○ Renovar​ ​as​ ​entradas​ ​da​ ​cidade,​ ​dando-lhes​ ​a​ ​dignidade​ ​que​ ​a​ ​apresentação da​ ​cidade​ ​exige​ ​e​ ​merece;

○ Investir​ ​no​ ​Parque​ ​de​ ​Campismo​ ​de​ ​Braga,​ ​tornando-o​ ​um​ ​local​ ​de excelência​ ​de​ ​modo​ ​a​ ​captar​ ​mais​ ​turistas;

○ Resolver​ ​a​ ​questão​ ​da​ ​nova​ ​Pousada​ ​da​ ​Juventude;

○ Investir​ ​nas​ ​acessibilidades​ ​e​ ​na​ ​comunicação​ ​multilinguística​ ​de​ ​todos​ ​os pontos​ ​de​ ​interação​ ​com​ ​visitantes​ ​da​ ​cidade;

○ Regulamentar​ ​a​ ​operação​ ​de​ ​empresas​ ​turísticas​ ​na​ ​cidade,​ ​de​ ​modo​ ​a preservar​ ​o​ ​bem​ ​estar​ ​da​ ​população​ ​da​ ​cidade,​ ​nomeadamente​ ​no​ ​centro histórico.

● Expandir​ ​o​ ​programa​ ​municipal​ ​de​ ​reabilitação​ ​urbana,​ ​integrando​ ​as​ ​políticas​ ​de mobilidade,​ ​adaptação​ ​às​ ​alterações​ ​climáticas,​ ​e​ ​acessibilidades,​ ​em​ ​conjunto​ ​com todas​ ​as​ ​Juntas​ ​de​ ​Freguesia​ ​e​ ​outras​ ​entidades​ ​pertinentes.

4.​ ​CULTURA

A cultura deve tornar-se partedavidaedoquotidianodetodaasociedade,viaa preservação do património material e imaterial existente, a organização de eventos que promovam a cultura, que valorizem o concelho e que, fundamental, promovama
criação de nova cultura. Também importante, pode ser fonte de enorme retorno financeiro, via todosassuasconsequênciasindirectas, mastambémviaaatraçãode visitantes.

Propomos: ●

Promover​ ​programas​ ​culturais​ ​(poesia,​ ​literatura,​ ​pintura,​ ​fotografia,​ ​música,​ ​arte​ ​de rua)​ ​para​ ​todas​ ​as​ ​idades,​ ​em​ ​articulação​ ​com​ ​as​ ​associações​ ​pertinentes,​ ​escolas​ ​e equipamentos​ ​municipais:

○ Workshops;

○ Concursos;

○ Exposições.

● Promover​ ​a​ ​criação​ ​no​ ​Shopping​ ​Santa​ ​Cruz​ ​de​ ​um​ ​centro​ ​cultural​ ​e​ ​artístico,​ ​com alugueres​ ​low​ ​cost​ ​para​ ​bandas​ ​e​ ​artistas,​ ​à​ ​semelhança​ ​do​ ​concretizado​ ​no​ ​Centro Comercial​ ​Stop,​ ​no​ ​Porto;

● Negociar​ ​com​ ​os​ ​proprietários​ ​do​ ​Cinema​ ​S.​ ​Geraldo​ ​e​ ​do​ ​Edifício​ ​Pé​ ​Alado​ ​uma solução​ ​de​ ​longo​ ​prazo​ ​para​ ​o​ ​edificado,​ ​que​ ​contenha​ ​a​ ​exploração​ ​cultural​ ​do Cinema​ ​S.​ ​Geraldo,​ ​em​ ​articulação​ ​com​ ​o​ ​departamento​ ​cultural​ ​da​ ​CMB, concessionada​ ​via​ ​concurso​ ​público​ ​ao​ ​projecto​ ​mais​ ​dinamizador​ ​e​ ​culturalmente valioso,​ ​por​ ​períodos​ ​de​ ​tempo​ ​definidos;

● Cadastrar​ ​e​ ​classificar​ ​todos​ ​os​ ​edifícios​ ​de​ ​interesse​ ​público​ ​do​ ​concelho,​ ​incluindo o​ ​seu​ ​estado​ ​de​ ​conservação,​ ​de​ ​modo​ ​a​ ​permitir​ ​o​ ​acompanhamento​ ​e​ ​promoção da​ ​conservação​ ​deste​ ​património;

● Encontrar​ ​uma​ ​solução​ ​que​ ​proteja​ ​o​ ​Palácio​ ​da​ ​Dona​ ​Chica,​ ​em​ ​Palmeira, presentemente​ ​em​ ​acentuada​ ​degradação;

● Dedicar​ ​o​ ​evento​ ​“Noite​ ​Branca”​ ​à​ ​génese​ ​cultural,​ ​apostando​ ​em​ ​talentos​ ​locais​ ​e em​ ​trabalhos​ ​comissionados​ ​com​ ​a​ ​devida​ ​antecedência;

● Privilegiar​ ​a​ ​contratação​ ​de​ ​artistas​ ​locais​ ​nas​ ​celebrações​ ​da​ ​cidade;

● Designação​ ​de​ ​locais​ ​dedicados​ ​a​ ​arte​ ​de​ ​rua,​ ​disseminados​ ​pela​ ​cidade,​ ​que​ ​se poderão​ ​tornar​ ​pólos​ ​criativos​ ​urbanos;

● Atribuir​ ​à​ ​Fábrica​ ​Confiança​ ​o​ ​papel​ ​de​ ​galeria​ ​de​ ​exposições​ ​de​ ​Braga,​ ​com dignidade​ ​e​ ​capacidade​ ​para​ ​apresentar​ ​as​ ​maiores​ ​e​ ​melhores​ ​exposições nacionais​ ​e​ ​internacionais.

5.​ ​DESPORTO

A​ ​actividade​ ​física,​ ​a​ ​saúde​ ​e​ ​a​ ​qualidade​ ​de​ ​vida​ ​estão​ ​intimamente​ ​interligadas. Não existe qualquer dúvida quanto ao facto de o sedentarismo serumfactorde risco para o desenvolvimento de muitas doenças crónicas, incluindo doenças cardiovasculares,​ ​que​ ​são​ ​uma​ ​das​ ​principais​ ​causas​ ​de​ ​morte​ ​no​ ​mundo​ ​ocidental. Além disso, uma vida activa proporciona muitos outros benefícios sociais e psicológicos.

Propomos:

● Criar​ ​um​ ​complexo​ ​de​ ​lazer​ ​e​ ​desporto​ ​aberto​ ​à​ ​população,​ ​de​ ​administração​ ​única, formado​ ​pelo​ ​Estádio​ ​1.o​ ​de​ ​Maio,​ ​Pavilhão​ ​Flávio​ ​Sá​ ​Leite,​ ​Parque​ ​de​ ​S.​ ​João​ ​da Ponte,​ ​Estufa​ ​Municipal​ ​(a​ ​reabilitar)​ ​e​ ​Piscinas​ ​da​ ​Ponte;

● Reabilitar​ ​faseadamente​ ​o​ ​Estádio​ ​1.º​ ​de​ ​Maio,​ ​dedicando-o​ ​ao​ ​Atletismo​ ​e​ ​à promoção​ ​do​ ​desporto: ○ Reabilitação​ ​estrutural;

○ Reabilitação​ ​de​ ​infraestruturas​ ​e​ ​equipamentos;

○ Execução​ ​de​ ​cobertura​ ​ligeira​ ​(tela​ ​tensionada),​ ​para​ ​Braga​ ​ter​ ​uma​ ​pista coberta​ ​de​ ​atletismo.

● Reabilitar​ ​os​ ​ringues​ ​da​ ​cidade,​ ​conferindo-lhes​ ​características​ ​modernas​ ​de segurança,​ ​funcionalidade​ ​e​ ​acessibilidade​ ​a​ ​pessoas​ ​de​ ​mobilidade​ ​condicionada.

● Criação​ ​de​ ​um​ ​programa​ ​municipal​ ​inclusivo​ ​de​ ​prática​ ​de​ ​exercício​ ​físico,​ ​que coordenará​ ​com​ ​as​ ​instituições​ ​da​ ​cidade​ ​a​ ​instituição​ ​e​ ​execução​ ​de​ ​actividades regulares​ ​de​ ​prática​ ​de​ ​exercício​ ​físico;

● Promoção​ ​da​ ​deslocação​ ​pedonal​ ​e​ ​de​ ​outros​ ​modos​ ​suaves,​ ​no​ ​dia​ ​a​ ​dia​ ​da população,​ ​como​ ​combate​ ​ao​ ​sedentarismo.

6.​ ​ACÇÃO​ ​SOCIAL,​ ​FORMATIVA​ ​​ ​E​ ​EDUCATIVA

A​ ​formação​ ​e​ ​a​ ​educação​ ​são​ ​essenciais:

● Para​ ​fortalecer​ ​a​ ​cultura​ ​e​ ​os​ ​valores​ ​de​ ​uma​ ​cidadania​ ​democrática;

● Para promover e asseguraroprogresso,amobilidade,aintegraçãoeacoesão social;

● Para​ ​a​ ​renovação,​ ​criação​ ​e​ ​mudança​ ​cultural. As câmara municipais, cada vez mais, assumem mais responsabilidades na educação, nomeadamentenoperíodoextrahoráriolectivo,nacomponentedeapoioà família, na contratação do pessoal não docente, na manutenção das escolas.

Não podem defraudar as expectativas do cidadão, no que diz respeito a assegurar que tudo faz para, pela sua parte, assegurar que os mais jovens iniciam as suas vidas com​ ​o​ ​entusiasmo​ ​de​ ​um​ ​mundo​ ​de​ ​possibilidades​ ​à​ ​sua​ ​frente.

A acção social é preponderante para mitigar as dificuldades que os cidadãos mais carenciados não conseguem ultrapassar por si só. Em coordenação com os outros organismos responsáveis, é preciso uma política de apoio socialestruturante e edificante, inclusiva e participativa, que se dirija à origem dos problemas sócio-económicos​ ​que,​ ​já​ ​no​ ​fim​ ​do​ ​primeiro​ ​quartel​ ​do​ ​século​ ​XXI,​ ​persistem.

Propomos:

● Abraçar​ ​com​ ​entusiasmo​ ​as​ ​competências​ ​municipais​ ​na​ ​educação,​ ​adoptando​ ​as políticas​ ​necessárias​ ​para​ ​tornar​ ​Braga​ ​na​ ​cidade​ ​de​ ​referência,​ ​de​ ​modo​ ​a​ ​que​ ​os primeiros​ ​anos​ ​de​ ​contacto​ ​da​ ​criança​ ​com​ ​o​ ​mundo​ ​escolar​ ​sejam​ ​de​ ​apaixonada formação​ ​para​ ​a​ ​vida​ ​e​ ​para​ ​a​ ​cidadania:

○ Rejeitar​ ​totalmente​ ​o​ ​modelo​ ​de​ ​Contrato​ ​Emprego​ ​Inserção​ ​para​ ​o suprimento​ ​de​ ​auxiliares​ ​nas​ ​escolas​ ​e​ ​restante​ ​município,​ ​adoptando​ ​uma cultura​ ​ética​ ​de​ ​contratação​ ​de​ ​funcionários​ ​dedicados​ ​e​ ​vocacionados​ ​para acompanhar​ ​o​ ​nosso​ ​bem​ ​mais​ ​precioso,​ ​as​ ​nossas​ ​crianças,​ ​no​ ​seu percurso​ ​escolar;

○ Suprir​ ​cabalmente​ ​as​ ​necessidades​ ​logísticas​ ​das​ ​escolas​ ​sob responsabilidade​ ​da​ ​Câmara​ ​Municipal,​ ​bem​ ​como​ ​a​ ​necessária​ ​manutenção dos​ ​equipamentos​ ​e​ ​imóveis;

○ Melhoria​ ​da​ ​qualidade​ ​e​ ​variedade​ ​das​ ​refeições​ ​escolares,​ ​abolindo​ ​das ementas​ ​os​ ​alimentos​ ​negativamente​ ​avaliados​ ​em​ ​estudos​ ​científicos, introduzindo​ ​alternativas​ ​saudáveis​ ​de​ ​origem​ ​local​ ​ou​ ​regional​ ​e​ ​opção​ ​de prato​ ​vegetariano;

○ Programa​ ​municipal​ ​de​ ​policiamento​ ​e​ ​fiscalização​ ​da​ ​área​ ​envolvente​ ​das escolas,​ ​combatendo​ ​o​ ​caos​ ​que​ ​se​ ​gera​ ​diariamente​ ​quando​ ​da​ ​entrega​ ​e recolha​ ​das​ ​crianças​ ​pelos​ ​pais;

○ Definição​ ​de​ ​programa​ ​escolar​ ​criterioso​ ​para​ ​o​ ​período​ ​escolar​ ​adicional​ ​às horas​ ​curriculares,​ ​sob​ ​alçada​ ​da​ ​Câmara​ ​Municipal,​ ​nomeadamente​ ​a Componente​ ​de​ ​Apoio​ ​à​ ​Família,​ ​contemplando​ ​actividade​ ​física,​ ​educação para​ ​a​ ​cidadania,​ ​formação​ ​em​ ​economia​ ​doméstica; ○ Auditoria​ ​dos​ ​custos​ ​da​ ​CAF​ ​no​ ​concelho,​ ​procurando​ ​soluções​ ​de harmonização;

○ Criar​ ​um​ ​programa​ ​de​ ​bolsa​ ​de​ ​estudo/formação​ ​para​ ​jovens​ ​e​ ​adultos,​ ​com apoio​ ​das​ ​empresas​ ​da​ ​cidade,​ ​por​ ​protocolo​ ​com​ ​as​ ​entidades​ ​formadoras existentes​ ​no​ ​concelho,​ ​integrando​ ​a​ ​formação​ ​cívica​ ​e​ ​escolar;

○ Colaborar​ ​com​ ​as​ ​necessidades​ ​de​ ​ensino​ ​especial;

○ Execução​ ​de​ ​auditoria​ ​às​ ​escolas​ ​sob​ ​responsabilidade​ ​da​ ​autarquia,​ ​de modo​ ​a​ ​identificar​ ​e​ ​programar​ ​a​ ​resposta​ ​urgente​ ​às​ ​necessidades​ ​das mesmas,​ ​de​ ​acordo​ ​com​ ​os​ ​regulamentos​ ​actuais.

● Intervir​ ​na​ ​origem​ ​dos​ ​diversos​ ​problemas​ ​de​ ​carência​ ​social​ ​e​ ​revisão​ ​dos mecanismos​ ​o​ ​seu​ ​tratamento:

○ Fim​ ​da​ ​BragaHabit​ ​e​ ​do​ ​Gabinete​ ​de​ ​Inserção​ ​Profissional​ ​da​ ​Câmara Municipal,​ ​passando​ ​as​ ​suas​ ​competências​ ​para​ ​as​ ​Juntas​ ​de​ ​Freguesia, com​ ​a​ ​criação​ ​de​ ​gabinetes​ ​de​ ​acompanhamento​ ​e​ ​inserção​ ​social​ ​e​ ​de gestão​ ​e​ ​manutenção​ ​das​ ​habitações​ ​sociais;

○ Repensar​ ​o​ ​modelo​ ​de​ ​habitação​ ​social​ ​em​ ​Braga,​ ​em​ ​linha​ ​com​ ​os​ ​estudos científicos​ ​desta​ ​área​ ​e​ ​com​ ​as​ ​atuais​ ​exigências​ ​regulamentares;

○ Criação,​ ​em​ ​colaboração​ ​com​ ​organizações​ ​não​ ​governamentais,​ ​de​ ​um programa​ ​de​ ​melhoria​ ​de​ ​carências​ ​habitacionais​ ​para​ ​pessoas​ ​vulneráveis​ ​e sem​ ​recursos,​ ​nomeadamente​ ​ao​ ​nível​ ​da​ ​estabilidade,​ ​abastecimento​ ​de água,​ ​saneamento,​ ​eficiência​ ​térmica​ ​e​ ​da​ ​qualidade​ ​do​ ​ar​ ​interior​ ​de​ ​modo a,​ ​com​ ​o​ ​mínimo​ ​investimento,​ ​melhorar​ ​a​ ​qualidade​ ​de​ ​vida​ ​e​ ​condições​ ​de habitabilidade​ ​para​ ​pessoas​ ​carenciadas,​ ​distinguindo​ ​entre​ ​as​ ​situações​ ​de casa​ ​própria​ ​e​ ​de​ ​casa​ ​alugada; ○ Reforço​ ​dos​ ​serviços​ ​de​ ​apoio​ ​à​ ​vítima​ ​de​ ​violência​ ​doméstica.