Nós, Cidadãos! nascemos em Junho de 2015 para pedir mais participação na coisa pública, mais cidadania.
Nós, Cidadãos! criámos a nossa marca nas eleições de Outubro de 2015, contribuindo para o enfraquecimento da coligação de centro-direita que permitiu à Troika ditar os destinos de Portugal.
Em finais de 2015 assistimos à subida ao poder da coligação de esquerda. Houve mudança positiva de governantes, de estilo político e de objetivos pontuais, mas não houve mudança de governação nem de hábitos do estado, nem surgiu uma estratégia de comunidade.
Portugal tem que ser para todos. É inaceitável vermos crescer as fileiras de desempregados, precários e imigrantes; é intolerável vermos as filas de doentes, excluídos e sem abrigo enquanto os responsáveis que mergulham o país na miséria continuam a exibir-se nos órgãos de informação como os salvadores do país.
Portugal tem que ser para todos. Para ser comunidade, ninguém deve ficar para trás; temos das maiores dívidas públicas da Europa; endividamento das famílias; dos mais altos juros para as pequenas e médias empresas; o desemprego ataca sobretudo a juventude, educada com o sacrifício dos pais.
O ano de 2017, e em particular as eleições autárquicas, é a hora de alertar para a necessidade de mudança no Estado capturado pelos grandes partidos. Os Portugueses têm de mandar embora os responsáveis do descalabro, mas exigindo-lhes, antes, que prestem contas da má governação.
Nós, Cidadãos! nascemos para pedir mais cidadania. Para não deixar que tomem as decisões por nós. Para mudar Portugal, iniciando a mudança por nós mesmos.
Que 2017 seja o ano da mudança! Temos sonhos para cumprir, projetos para realizar e muito para aprender. Venha ajudar-nos a cumprir a promessa de um Portugal mais justo, mais livre e mais solidário.
Nós, Cidadãos!